Decanter, usar ou não usar?

Matéria do mês de fevereiro da Revista Vegetarianos.

Decanter, usar ou não usar?

Alguns vinhos requerem cuidados específicos antes de serem consumido, um desses cuidados é a decantação.

Decantar um vinho é na maior parte das vezes um dilema para quem aprecia a bebida, as dúvidas são frequentes: para que serve? Todo vinho deve ser decantado? Por quanto tempo devemos decantar?

A função do decanter inicialmente é a de servir, assim como uma jarra. Antigamente os vinhos não passavam por processos de filtragem e limpeza então se utilizava esse estilo de jarra para que a “sujeira” do vinho sedimentasse e em seguida fosse servido.

Hoje temos técnicas para que o vinho seja engarrafado já limpo, a presença de sedimentos é bem rara. Com isso o decanter fica conhecido pela sua outra função, a de aerador, fazendo com que o vinho possa respirar e assim mostre mais seus aromas.

Então será que todo vinho fica melhor e mais aromático ao ser decantado? Nem todos! Oxigênio demais também pode prejudicar o vinho. Para termos uma base se devemos ou não decantar um vinho, desses que temos no dia a dia, basta servi-lo na taça, cheire e então gire a taça e perceba seus aromas, se ele ficarem intensos e forem se modificando vale uma passagem rápida pelo decanter… Não mais que 30 min.

Agora quando temos vinhos raros, grand crus ou safras muito antigas temos que ter mais cuidados e paciência. Quando guardado por muito tempo o vinho, após aberto custa para mostrar seus aromas, nesse caso o tempo de decantação é maior, horas ou até dias. Nesse caso podemos ter borras então um decanter de vidro é interessante para que na hora do serviço esse sedimento fique visível e não vá para a taça. Decanters em geral devem ter a base larga e “pescoço” estreito. Ao servir o vinho, o deixe escorrer lentamente pelas paredes internas fazendo com que ele entre em contato com o oxigênio delicadamente. Depois de servido, girar lentamente o decanter faz com que o álcool fique menos perceptível devido sua volatilização.

Golpes intensos de oxigênio em vinhos muito antigos podem ser prejudiciais e podem “matar” o vinho.

Tintos encorpados em geral passam por esseprocesso. Nomes como Barolo, Amarone quase que obrigatoriamente devem ter uma passagem, por horas no decanter. Vinhos brancos não ficam de fora, os grandes vinhos de Chablis e da região do Jura são exemplos a serem colocados no decanter.

Não é difícil perceber o quanto é interessante à ação do oxigênio no vinho. Deixe-o na taça e sempre antes de dar um gole perceba se houve mudança de aromas. Isso trará informações para a próxima garrafa, se ela deve ou não passar pelo decanter.

Dicas de Vinhos

Château La Grave 2013 – Bordeaux (Fronsac) – Uvas: Merlot, Cabernet Franc e Malbec – Tinto – Biodinâmico.

Nariz bastante complexo com aromas de frutas vermelhas maduras, mineral como pedra quente e pimenta preta. Em boca é intenso, tem boa acidez, tanino fino e presente. Aguenta mais uns 5 anos em garrafa. Recomendo abrir com pelo menos 1 hora de antecedência.

Onde: De La Croix – http://www.delacroixvinhos.com.br – (11) 3034 – 6214

R$ 183,00

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: